Cine Teatro Tony Viera

Espaço linhas+- ATamanho da Fonte+-
Endereço:
Praça Silviano Brandão, s/nº, Centro, próximo à igreja Matriz de São Gonçalo

Contato:


HISTÓRIA DO CINE TEATRO DE CONTAGEM

O Cine Teatro de Contagem, passou a ser chamar Cine Teatro Tony Vieira através da Lei Nº 3.430, de 30 de julho de 2001, em homenagem ao cineasta Tony Vieira que viveu em Contagem, trabalhou em fabricas e no cinema produzindo filmes de forma independente.

O Cine Teatro foi construído em mutirão, no século XIX. Em 1964 a antiga edificação foi demolida. Segundo o historiador Geraldo Fonseca em seu livro "Contagem Perante a História", a idéia de se construir um edifício para teatro em Contagem surgiu com a criação do Conjunto Teatro União Contagense, do qual Domingos José Diniz e Silva era um dos líderes. Os espetáculos eram tão concorridos que animaram os integrantes à construção do prédio apropriado, cujo início foi em novembro de 1890.

Segundo depoimento da professora Maria Madalena Diniz, em 21 de janeiro de 2001, o teatro em Contagem "nasceu pelos idos de 1886 mais ou menos. Tenho na memória o que ouvi dos meus antepassados: o teatro foi uma arte que sempre empolgou a nossa família, a qual procurou fazer dela momentos de lazer, onde se oferecia uma diversão sadia proporcionando a cultura para os espectadores. Não havia nem o rádio e o cinema; todos admiravam e aceitavam esta oportunidade da época, de se divertirem um pouco. Os espetáculos ficavam repletos, onde todos se uniam pelo útil ao agradável: ao saírem dali levavam para suas casas os comentários que os empolgavam, sendo motivo de conversas nas rodas em família, por longos dias..."

"Não dispunham de um local apropriado. Tudo começou em um "Rancho de tropas". Este rancho era destinado a abrigar os animais que levavam em seus lombos as velas aqui fabricadas, para iluminar as escavações na Mina de Morro Velho em Nova Lima (...) O rancho era de propriedade do meu tetravô e eram ali realizados os pobres espetáculos. Na época não se dispunha de nenhum recurso. Tiravam tudo do nada!... Pediam bancos emprestados nas casas das famílias para os espectadores se assentarem. O palco ficava num plano mais alto e era feito com paus e tábuas, fabricado por eles mesmos. A iluminação era feita com lampiões de querosene, também emprestados .

(...) De espetáculo em espetáculo, conseguiram ajuntar um dinheirinho, o qual se engrossando com a ajuda das pessoas mais abastadas do lugar, começaram a construção do teatro antigo, que até pouco tempo fazia parte do acervo do nosso município. Deveria ter sido tombado pelo Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico (IEPHA) para ter sido conservado, não modificando a sua estrutura que tanto custou aos nossos antepassados.

Numa reportagem de fevereiro de 1970, o Jornal da Indústria publicou: "O Cine Teatro Municipal foi, no setor sócio- cultural da cidade, uma das mais expressivas obras do prefeito Francisco Firmo de Mattos Filho. Prédio moderno, dotado das mais avançadas técnicas de funcionalidade, veio trazer ao povo da cidade uma casa de espetáculos à altura do vertiginoso surto desenvolvimentista da cidade. Suas linhas arrojadas, num projeto arquitetônico que atende às mais avançadas técnicas bem traduz o espírito elevado que hoje contagia toda a comuna".

Através da Lei Nº 3.430, de 30 de julho de 2001 o local passa a se chamar Cine Teatro Tony Vieira em homenagem ao cineasta Tony Vieira que viveu em Contagem, trabalhou em fabricas e no cinema produzindo filmes de forma independente. Realizou obras em praticamente todas as áreas, e que nos anos 70, foi sucesso da "Boca do Lixo" paulistana - reduto de distribuidoras que produziam fitas independentes, às famosas "pornochanchadas".